A relação entre as dores abdominais e os carboidratos fermentáveis - Apsen Farmacêutica - O cuidado que transforma!
Siga-nos!

Siga-nos


Digeliv

2 de dezembro de 2021 (2 meses atrás)

A relação entre as dores abdominais e os carboidratos fermentáveis

Conhecidos como FODMAPS, os carboidratos fermentáveis se transformaram nos grandes responsáveis pelas dores abdominais de pessoas que possuem o organismo um pouco mais sensível que o normal.

 

Diferentemente dos outros carboidratos, os FODMAPs – classificados como oligossacarídeos, dissacarídeos, monossacarídeos e polióis – não são absorvidos no processo digestivo natural e, sim, fermentados por bactérias. Por isso, sintomas como azia, gases e dores abdominais são recorrentes durante o seu consumo.

 

Para evitar esse tipo de desconforto, e como alternativa de emagrecimento, homens e mulheres de diversas idades têm adotado dietas que excluem esse tipo de alimento do seu cardápio diário.

 

Por um lado, faz sentido, já que todos nós sabemos que quanto menos carboidratos consumirmos, mais fácil o processo de emagrecimento se torna. Entretanto, ao retirar os carboidratos fermentáveis de vez da alimentação, diversos nutrientes acabam sendo deixados de lado.

Frutas como maçã, pera e pêssego, e itens básicos como feijão, cebola, couve e farinha são alguns dos diversos tipos de alimentos que possuem FODMAPS em sua composição.


É importante se atentar ao fato de que as dores abdominais e os outros problemas causados pelos FODMAPs são mais comuns em pessoas que já apresentam algum tipo de indisposição, como síndrome do intestino irritável ou intolerância alimentar.


Nesse cenário, é sempre importante ter o acompanhamento, não só de um especialista em nutrição e educação alimentar, como também de um gastroenterologista de confiança. Outra dica, é prestar atenção aos sintomas após ingerir esse tipo de carboidrato.

 

Por exemplo: após comer uma maçã no fim da tarde, as dores abdominais já começam a dar sinal? Ou são os gases que tiram o seu sossego? Informações como essas são importantes para que seu diagnóstico seja o mais preciso possível.

 

Nunca restrinja sua alimentação por completo antes de se consultar com um médico. Contar com um especialista fará uma grande diferença para uma orientação bem direcionada e certeira, sem que você corra o risco de realizar procedimentos indevidos.

 

 Afinal, nas mãos de um especialista, qualquer desconforto pode ser amenizado da maneira correta.

 

Fonte: Medigest e Hospital Brasília

Mais em Digeliv