Siga-nos!

Siga-nos


Inpruv D

11 de janeiro de 2022 (6 meses atrás)

Qual é o melhor horário para repor Vitamina D?

A Vitamina D é o nutriente responsável por melhorar a absorção do cálcio pelo intestino, o que provoca uma melhora na saúde dos ossos, dentes e músculos, além de prevenir doenças.

 

Sem a Vitamina D, seria difícil ficar em pé. Nossos ossos seriam frágeis, assim como nossos dentes. Também teríamos mais chances de ter diabetes, hipertensão, osteoporose, problemas cardíacos, entre outras doenças.

 

Apesar de ser produzida pelo nosso organismo, é essencial consumi-la por fontes alimentares ou com a exposição ao sol.

 

Qual é o melhor horário para repor Vitamina D tomando sol?

 

Para repor a Vitamina D tomando sol, é preciso se expor aos raios solares sem protetor solar de 15 a 20 minutos por dia.

 

O recomendável é aproveitar o início da manhã ou final da tarde porque, entre 12 e 14 horas, o risco de câncer de pele é maior.

 

Os raios solares conseguem repor a Vitamina D porque, durante a exposição, os raios ultravioleta penetram a epiderme (camada mais superficial da pele) e realizam uma reação fotoquímica que resulta na produção de Vitamina D.

 

A vitamina entra na circulação sanguínea, passa pela ativação no fígado e chega ao rim. Após passar por todo esse caminho, ela consegue aumentar a absorção de cálcio e fósforo no intestino.

 

Qual é o melhor horário para repor Vitamina D com suplementos?

 

É preciso respeitar o horário prescrito pelo médico ou nutricionista. Normalmente, o suplemento de Vitamina D começa a fazer efeito depois de 10 horas após a ingestão.

 

A reposição é recomendada quando esse nutriente está deficiente no sangue, como em casos destas doenças:

 

  • Osteoporose
  • Raquitismo
  • Anemia
  • Síndrome de Fanconi
  • Osteodistrofia renal

 

Ao suspeitar da falta de Vitamina D em seu organismo, é fundamental marcar uma consulta com um profissional de saúde de confiança. Assim, ele poderá solicitar os exames de sangue e prescrever o tratamento necessário.

 

Fontes: Drauzio Varella e Sociedade Brasileira de Dermatologia – Regional Rio De Janeiro.

Mais em Inpruv D