Siga-nos!

Siga-nos


Institucional

Encontre aqui no blog matérias falando sobre patologias, saúde, bem-estar, qualidade de vida e conteúdos sobre o universo Apsen e seu propósito: o cuidado que transforma.

14 de março de 2022 (3 meses atrás)

Incontinência urinária: realmente temos que falar sobre isso?

Se você está tendo escapes indesejados de xixi, você não está sozinho. Mais de 10 milhões de pessoas no Brasil sofrem de incontinência urinária. Mas saber o quão comum, não torna mais fácil falar sobre isso. Muitos se sentem desconfortáveis apenas trazendo o assunto à tona, e mesmo quando o fazem, nem sempre sabem como explicar os sintomas ou que perguntas fazer ao médico.

 

Afinal, o que é incontinência urinária?

A incontinência urinária é uma condição médica real e reconhecida que afeta mulheres e homens de todas as idades. Não é apenas “uma das coisas que acontecem à medida que você envelhece”, e certamente não é algo que você deveria ter que aprender a conviver. E como muitas condições médicas, é algo que pode ser tratado.

Se você sente a necessidade regular e urgente de usar o banheiro, você provavelmente tem incontinência. Isso não significa que todos os casos são iguais. Existem várias condições distintas, e cada uma delas tem suas características próprias e formas de tratamento.

A lista abaixo pode ajudá-lo a identificar algumas das condições mais comuns. Mas lembre-se de que você precisará consultar um médico para obter um diagnóstico adequado.

 

Incontinência urinária de esforço

A incontinência urinária de esforço ocorre quando uma pressão é transmitida à bexiga por um esforço abdominal. Esse tipo de esforço pode ser algo bastante comum, como por exemplo, ao tossir, espirrar, fazer exercícios, dar risada, correr, etc.

A incontinência de esforço é relacionada por possíveis danos aos músculos do assoalho pélvico como atrofia, fibrose. Em mulheres, por exemplo, lesões dos nervos durante o parto. Em homens, como consequência de cirurgias que lesam o esfíncter da próstata, ou por alterações neurológicas.

 

Incontinência urinária por urgência

A incontinência urinária por urgência, também conhecida como incontinência urinária por bexiga hiperativa, ocorre quando a urgência de urinar é muito forte, e muitas vezes, o paciente não consegue chegar até o banheiro. Esse tipo é considerado mais grave quando comparado a incontinência urinária de esforço.

Uma bexiga adulta é capaz de comportar a média de 350 e 500 ml. Geralmente esvaziamos esse órgão antes de estar completamente cheio, porém quando ocorre a hiperatividade do detrusor se tem o aumento da frequência urinária com volumes urinários até menores do que 150 ml.

As duas possíveis causas para a hiperatividade do detrusor são: defeito dos receptores da bexiga que transmite ao cérebro que o órgão está cheio e faz com que o cérebro interprete como um desejo súbito de ir ao banheiro; ou uma bexiga “musculosa”, que faz muita força e não distende bem na fase do armazenamento.

 

Incontinência urinária mista

A incontinência mista, como o nome já indica, associa dois tipos de incontinência urinária, sendo a incontinência de esforço e a incontinência de urgência. Assim como os outros tipos, sua principal característica é a impossibilidade de controlar a perda involuntária de xixi pela uretra, a diferença é que esse escape pode ser causado tanto por esforços como por urgência, não chegando ao banheiro a tempo.

 

Incontinência urinária por transbordamento

Incontinência por transbordamento é o gotejamento de urina da bexiga sobrecarregada. O volume é normalmente pequeno, mas pode ser constante, resultando em grandes perdas totais. Os fatores que podem causar o transbordamento são: a diminuição da sensibilidade da bexiga que dificulta a percepção da bexiga cheia; uma fraqueza do músculo da bexiga; ou uma obstrução na uretra que dificulta o esvaziamento regular.

Esse tipo de incontinência é mais comum nos homens, pois também tem a causa de um aumento da próstata com obstrução da uretra.

 

Incontinência Funcional

A incontinência urinária funcional ocorre quando outras condições diminuem a consciência da necessidade de urinar, como doenças articulares, neurológicas ou problemas cognitivos. Nesse caso, o problema pode não estar no funcionamento do sistema urinário. Por exemplo, uma pessoa com demência devido a doença de Alzheimer pode não reconhecer a necessidade de urinar ou não saber onde fica o banheiro.

 

Quem devo procurar?

Nem sempre é fácil saber quem consultar sobre uma incontinência urinária. Com base nos sintomas e nível de desconforto, geralmente a primeira escolha pode ser visitar um clínico geral. Alguns clínicos gerais tratarão sua condição por conta própria, mas não se surpreenda se você for encaminhado para qualquer um dos seguintes especialistas:

  • Ginecologistas – A ginecologia é mais do que apenas cuidar do sistema reprodutivo da mulher.
  • Urologistas – Os urologistas não são apenas para homens. Eles tratam problemas do sistema urinário de homens e mulheres.
  • Uroginecologistas – Esta é uma especialidade focada nos cuidados com o assoalho pélvico e a bexiga.
  • Geriatras – Como médicos que se preocupam com a saúde do idosos, os geriatras são treinados no diagnóstico e tratamento de distúrbios de continência.
  • Neurologistas – Em alguns casos, problemas de bexiga podem estar relacionados a danos ou lesões nos nervos e, nessas situações, os neurologistas podem ser a melhor escolha.

 

Como me preparar para a consulta?

Antes de sua primeira consulta, há algumas coisas que você pode fazer para ajudar a tornar a sua visita o mais produtiva possível:

  • Faça um diário da rotina – Anote suas visitas ao banheiro, ingestão de líquidos e outros sintomas. Você estará fornecendo informações que podem ser extremamente úteis no diagnóstico e tratamento.
  • Tenha seu histórico médico pronto – Escreva uma lista dos médicos que você visita, as condições médicas que você tem, medicações que está tomando e qualquer passado de operações e procedimentos médicos pelos quais você passou.
  • Prepare uma lista de perguntas – Não espere até estar na frente do médico para fazer perguntas. E muito fácil esquecê-las, especialmente se você está um pouco nervoso. Segue sugestão de perguntas embora possam surgir outras no decorrer de sua consulta:

 

  • Causas
    • O que está causando meus sintomas?
    • Vai piorar se não for tratada?
    • Está relacionado a outra doença ou condição médica?
  • Tratamentos
    • Quais tratamentos estão disponíveis?
    • O que você recomenda?
    • Há algum efeito colateral?
  • Comportamentos
    • Devo limitar minha ingestão de líquidos?
    • Devo alterar minha dieta?
    • Preciso mudar algo na minha rotina?
  • Informações gerais
    • Você tem algum folheto ou literatura que eu possa ver?
    • Você recomenda algum site onde eu possa aprender mais?

 

O que posso esperar da minha consulta médica?

Qualquer consulta médica pode ser uma experiência estressante, então faz sentido entender com antecedência o que você está suscetível de experimentar:

Perguntas – Seu médico fará muitas perguntas e algumas podem parecer pessoais. Não seja tímido com suas respostas. Você está ali para receber tratamento, e eles estão fazendo perguntas que os ajudarão a dar a você o melhor atendimento possível. Algumas coisas sobre as quais você pode ser perguntado inclui:

 

Natureza da sua Condição

  • Há quanto tempo você tem esse problema?
  • Você pode descrever seus sintomas?
  • A frequência ou intensidade desses sintomas mudou repentinamente?
  • Você já teve episódios em que houve vazamento antes de você chegar ao banheiro?
  • Você acorda à noite para urinar?
  • Você tem algum vazamento quando espirra, ri ou quando pressiona a bexiga?
  • Você sente alguma dor, queimação ou outro desconforto enquanto urina?

Histórico médico

  • Que outras condições médicas você tem?
  • Que medicamentos você está tomando?
  • Qual é o seu histórico cirúrgico?
  • Você deu à luz por via vaginal?
  • Você tem histórico de cálculos na bexiga, pólipos ou tumores?
  • Você tem alguma condição neurológica, como múltiplas esclerose ou doença de Parkinson?

Antecedentes Comportamentais e Emocionais

  • Você bebe café ou álcool?
  • Quanto e com que frequência?
  • Descreva sua dieta típica

Exames relacionados à incontinência urinária

A incontinência urinária geralmente é diagnosticada por seus sintomas, mas existem alguns exames que podem ser realizados para identificar ou descartar outros possíveis problemas subjacentes. Por exemplo, uma cultura de urina pode ser feita para ver se há uma infecção de urina. Em alguns casos, exame urodinâmico e cistoscopia podem ser realizados. Isso envolve o uso de uma pequena câmera que é inserida na bexiga para verificar se há tumores, inflamação, cálculos bem como avaliar a sensibilidade da bexiga, a sua capacidade de armazenar urina e a eficiência com que ela se esvazia.

Tratamentos para a incontinência urinária

Existem várias alternativas que o seu médico pode recomendar:

  • Modificação dietética – Há uma série de fatores que podem afetar sua continência, e controlá-los pode fazer uma diferença significativa. Por exemplo, evitando a cafeína, você pode ver uma grande melhora em pouco tempo.
  • Exercícios pélvicos – Os exercícios dos músculos do assoalho pélvico são frequentemente prescritos como uma forma de ajudar a melhorar o controle da bexiga e minimizar o vazamento. Eles são frequentemente prescritos para pessoas que sofrem de incontinência urinária de esforço, mas também podem ser úteis para pessoas que sofrem de bexiga hiperativa ou incontinência de urgência.
  • Medicamentos – Existem vários medicamentos que podem ser prescritos para tratar os sintomas da incontinência. Antes de tomar qualquer medicamento, porém, certifique-se de conversar com seu médico sobre possíveis efeitos colaterais. E fique tranquilo se você não responder bem ao tratamento. Existem várias opções e há uma boa chance de que haja algo para atender às suas necessidades e estilo de vida.

Mais em Institucional