Quais os principais sintomas da intolerância à lactose? - Apsen Farmacêutica - O cuidado que transforma!
Siga-nos!

Siga-nos


Saúde Digestiva

Encontre aqui no blog Lactosil matérias sobre os benefícios do leite e seus derivados, o universo da gastroenterologia como a restrição alimentar e a má digestão da lactose, receitas e qualidade de vida e bem-estar.

30 de abril de 2021 (3 meses atrás)

Quais os principais sintomas da intolerância à lactose?

Quando a lactose não é digerida podemos ter sintomas ou não. Apenas quando os sintomas são percebidos, chamamos de intolerância à lactose.

Segundo quadro adaptado de Campbell AK, et al. Sci Prog. 2005; 88 (Pt 3): 157-202, os sintomas da intolerância à lactose podem ser divididos em intestinais e sistêmicos. Vamos descobrir juntos quais são nesse artigo.

 

intolerância-a-lactose

 

 

Quais são os sintomas da intolerância à lactose?

 

Muita gente tem dúvida se intolerância à lactose e alergia às proteínas do leite de vaca são a mesma coisa, e nós já respondemos nesse artigo aqui que não são.

Os primeiros sintomas da intolerância à lactose, com maior predominância, são dor abdominal, distensão, borborigmos – os barulhos que o intestino faz quando em contato com líquidos ou gases -, e flatulência. Atingindo um grupo menor de pessoas, náuseas, vômitos e diarreia e, em menor prevalência, constipação, com uma fatia de 30% do número de pessoas com sintomas.

Já sobre os sintomas sistêmicos, ou seja, aqueles que afetam todo o corpo e não apenas um órgão ou região, os mais recorrentes são dor de cabeça, perda de concentração, falha de memória, dor muscular, dor nas juntas, inchaço muscular e fraqueza crônica. Estes sintomas são incomuns.

Com menor incidência estão aftas, arritmias e alergias – prurido, rinite, sinusite, asma e eczema.

 

 

Como são as crises de intolerância à lactose?

 

Geralmente, os sintomas começam a aparecer de 30 minutos a duas horas após a ingestão de alimentos com leite ou à base de derivados e, para cada pessoa, podem ocorrer de uma forma.

As pessoas que não produzem ou produzem em baixa quantidade a enzima lactase, sofrem com os efeitos da lactose assim que o processo de digestão é iniciado. Ou seja, idas desesperadas ao banheiro ou inchaço passam a fazer parte da rotina.

Enquanto a lactose estiver no organismo, os diversos sintomas podem ocorrer, e o indicado é que a ingestão de líquidos, mais especificamente água, sejam reforçados. Como um dos sintomas é a diarreia, a desidratação pode ser um risco.

 

 

Quais são os tipos de intolerância à lactose?

 

Temos três tipos de intolerância à lactose:

 

  • Deficiência congênita: quando o bebê já nasce com tal condição e não é capaz de digerir a lactose, ou seja, seu organismo não produz lactase suficiente. Casos assim são raros;

 

  • Deficiência primária: caso mais comum entre os intolerantes. Nesse tipo, a intolerância ocorre progressivamente, ou seja, pouco a pouco, ao decorrer da vida, geralmente, da adolescência à terceira idade, há uma diminuição natural na produção de lactase;

 

  • Deficiência secundária: sintomas crônicos, como a diarreia, aparecem mais nesse tipo de deficiência. Além disso, a intolerância desse tipo pode ser temporária, tendo chances de regredir e até desaparecer com o tratamento adequado.

 

 

O que devo fazer durante as crises de intolerância à lactose e seus sintomas?

 

Ninguém quer ter diarreia, cefaleia, gases, vômitos e, pior que isso, não poder fazer nada – isso é fato. Mas como agir quando as crises causadas pela intolerância à lactose acontecem e parece que nunca mais vão acabar?

Antes de qualquer coisa, um médico de sua confiança deve ser consultado. Até que, enfim, o diagnóstico saia, você não terá certeza se leites e derivados têm sido os verdadeiros vilões da sua alimentação.

Além da ingestão de líquidos no combate a desidratações, alguns chás podem ser providenciais no pico das dores intestinais. Hortelã, erva-doce e camomila são ótimas pedidas para acalmar o intestino e cuidar para que os efeitos passem o quanto antes.

Infelizmente, os sintomas só irão cessar quando nenhum vestígio de lactose estiver mais no estômago e intestino, assim, pode demorar, mas, a notícia boa é: vai passar!

 

 

Enzima lactase: sua nova melhor amiga

 

As melhores amigas que nos desculpem, mas poder resolver problemas, dolorosos problemas, de uma só vez, e sempre que necessário, faz com que a enzima da lactase ocupe um espaço especial nos corações Brasil à fora.

A partir de agora, você pode dar adeus a todos os sintomas que a intolerância à lactose te faz sentir: tchau diarreia, tchau náuseas, adeus vômitos, até nunca mais dores abdominais. Sim, a partir de agora, a sua vida vai mudar.

E as mudanças são mais simples e fáceis do que você jamais sonhou. Não, você não precisará abrir mão do seu queijo favorito nem parar de comer a sobremesa que é tradição da família há décadas: a enzima lactase é compacta, cabe perfeitamente no seu bolso, se necessário, e chega apenas para somar.

Basta dissolvê-la em água, leite ou na própria refeição que contenha lactose ou mesmo ingerir a opção em tablete. É importante estar atento à quantidade de lactose ingerida, já que a lactase deve acompanhar as medidas proporcionalmente.

E tem mais: há a opção de associar a enzima da lactose com a suplementação de probiótico, e aí os ganhos são ainda maiores.

Além de não perder os componentes presentes no leite, principalmente, o alto teor de cálcio presente no alimento, o probiótico é um forte aliado no auxílio dos sintomas gastrointestinais da intolerância à lactose: auxilia na imunidade e na saúde gastrointestinal, além de possibilitar maior ingestão de leites e derivados sem que os sintomas apareçam.

 

 

Fontes

 

UOL

Portal PEBMED

Mais em Saúde Digestiva